Eu tive coragem... - Descrevendo Nuvens
16 • ago • 2014
textos category image
Jess Ribeiro

Eu tive coragem…

“Eu tive coragem. Ainda cedo sai para as ruas com o pés descalços debaixo de uma tempestade quadrúpede. Choviam mágoas, trovoavam versos, sua morte. Talvez eu estivesse precisando de lavar a minha alma, talvez apenas necessitasse precipitar um dilúvio interno capaz de transbordar tudo o que ficou impregnado e mal resolvido entre nós. Eu precisava me sentir leve, meus ombros tortos e acabrunhados não suportam mais o insustentável. E em um surto quase esquizofrênico corro pela avenida esbravejando pelos olhos a minha breve conquista. Era a expressão exata e incorrigível do meu olhar de despedida dizendo fica. Meu suicídio sentimental escorria com as águas pelos bueiros da marginal. Espaços na língua, espaços entre os olhos, entre os dentes, espaços na alma, ao chegar em casa pude constatar a capacidade do ato virar uma doce e perfumada lembrança feita de pés, cicuta, mãos e olhos molhados. Sua visão refletida no assoalho frio e intrépido apenas constava o óbvio. Tinha me tornado matéria reciclável. Na esteira aguardava ser finalmente transformado em algo um pouco melhor. Permita-me, mon chérri. Permita-me voar vazio, tão leve e sublime. Talvez agora separados os atos dos afoitados e corruptos sentimentos de dor você entenda que a saudade é apenas a vontade de se ter o que se foi e o que jamais voltará, assim como a água da chuva. Eu queria mover-me feito luz e diante da interminável estante de livro catar doces metáforas para compor na pele fina do seu corpo os versos mais lindos feitos por amor. E depois de escorrer-me pelo mundo a fora vir preencher mais uma vez o pote dos seus olhos com as minhas águas purificadas. Talvez seja porque, mesmo depois de jogar fora toda a dor, a inocência peça que fique. Isto é tudo que nos resta. Talvez esteja aqui por você, talvez mais um vez por mim. Talvez isso seja o pra sempre. Eu preciso arrancar as minhãs mãos e coloca-las sobre a mesa. Quero seus monólogos ardentes no meu ouvido. Há muito espaço aqui. A sujeira ficou nas sombras dos vulneráveis gestos articulados pelo acaso. A minha alma esta solta, desacortinei os aposentos da solidão. A sua voz ecoa no abismo do meu peito que devora os olhos esquecidos na cadeira. Venha mon amour, deite-se sobre o minhas vestes molhadas. Nosso destino está selado? Não, são apenas nossas almas limpas e soltas por cima de nós.”
— Elisa Bartlett.  



Deixar um comentário

2 Respostas para "Eu tive coragem…"

Kamila Villarreal
17-08-2014 @ (01:02)

Olá!

Que texto lindo! Sábias palavras 🙂 Seguindo!

resenhaeoutrascoisas.blogspot.com

Responder


Jessica Espysion - agosto 19th, 2014 em 11:59 am respondeu:

que bom que gostou

Responder


Último vídeo

Arquivo calendário

agosto 2014
DSTQQSS
« jul set »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31 

Pinterest

  • 15 modelos de quarto
  • Serendipity - Melina
  • Almofada de pelúcia
  • Dicas para conseguir
  • Interior Designed: B
  • 20-salas-com-sofa-ro
  • Decoração na cor Azu
  • #penteadeira #ideia
  • 1-penteadeiras-que-e
Follow Me on Pinterest

Descrevendo Nuvens - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2017 - Ilustração por Juliana Rabelo