Um massacre em Orlando - Descrevendo Nuvens
13 • jun • 2016
textos category image
Jess Ribeiro

Um massacre em Orlando

Dario Pignatelli via Getty Images

Dario Pignatelli via Getty Images

Naquele dia ninguém imaginava. Eu era uma pessoa normal que queria apenas sair para me divertir. Era domingo, mais um domingo, como qualquer outro, onde tudo deveria seguir normal, mas não foi assim…

Tínhamos entre 20 e 46 anos, éramos jovens ainda, tínhamos uma vida longa e feliz pela frente, porém alguém não queria que isso acontecesse, alguém decidiu que nós não deveríamos continuar, alguém quis que tudo acabasse.

Era por volta das 2:00 horas da manhã horário local quando um homem entrou atirando em todos nós. No momento eu não estava entendendo o que estava acontecendo. Foi quando eu vi vários dos meus amigos, parceiros, conhecidos, gritando, chorando e caindo. Eles morreram…

Eu em um ato de desespero sai correndo para o único lugar que no momento poderia ser mais seguro. Queria me despedir da única pessoa que em toda minha vida me aceitou, me amou e me quis como eu era.

-Mãe, te amo. Estou num clube que está sofrendo um tiroteio. Preso no banheiro.

Minha mãe em pleno desespero me pergunta onde estou.

— Eu estou no banheiro. Ele está chegando. Eu vou morrer.

Aquela seria a última vez, porque a última vez? O que eu fiz? Porque agora? Eu apenas fechei os olhos e em alguns segundos toda minha vida passou diante dos meus olhos. E eu adormeci.

Adormeci com um mundo ainda cheio de pessoas intolerante, preconceituosas, arrogantemente, mentirosas… Adormeci sem consegui ver a evolução. Eu apenas adormeci para não acordar mais.
Eu não deveria ter morrido…

A Prefeitura de Orlando confirmou a morte de Eddie Jamoldroy Justice, de 30 anos no qual eu contei a historia dele como eu imaginei que deveria ter sido no domingo do dia 12/06/2016.

filho-sms-morte

Gente, estou me colocando no lugar da mãe, do pai, da irmã, do irmão de todos aqueles que perderam uma pessoa amada em um dos massacres mais sangrentos que os Estados Unidos já presenciou desde o 11 de setembro. Nesse massacre já foram confirmados 50 mortes até a data desse post.

Já chega de tanta intolerância! Por Orlando e pelo mundo.



Deixar um comentário

18 Respostas para "Um massacre em Orlando"

carol
14-06-2016 @ (14:23)

Esse post lindo me fez chorar. Me emociono muito com esse fato terrível. Até onde vai todo esse ódio que está matando inocentes?
Não dá pra entender essa falta de amor ao próximo, a falta de respeito e compreensão.
Texto lindo e muito emocionante.
Beijos
BlogCarolNM
FanPage

Responder


Jess Ribeiro - junho 24th, 2016 em 3:11 pm respondeu:

Ah fico muito feliz que tenha gostado do post e que bom que voce se emocionou eu chorei quando estava escrevendo, tentei me colocar no lugar dos pais e das pessoas que perderam seus amigos, colegas, namorados.

Responder


Edilene Araújo
16-06-2016 @ (11:47)

Quando eu vi a noticia, fiquei em choque e muito triste. Quantas vidas perdidas, quantos sonhos massacrados, por uma pessoa intolerante e preconceituosa…

Responder


Jess Ribeiro - junho 24th, 2016 em 3:15 pm respondeu:

Totalmente intolerante e preconceituosa!

Responder


Juliana T.
18-06-2016 @ (00:33)

Quem não se chocou com essa enorme tristeza tem que rever seus conceitos de “ser humano”. É tão horrível ver coisas assim acontecendo!
E a história desse jovem…
Parabéns pela sensibilidade do texto.
🙁 · ENTRETANTO ·

Responder


Jess Ribeiro - junho 24th, 2016 em 3:18 pm respondeu:

Ah obrigada <3 Poise quem não ficou abalado com essa enorme tristeza tem que ser muuito frio. Em pleno sec 21 a gente ainda presencia tanta intolerância e arrogância é deprimente.

Responder


Camila Mabeloop
20-06-2016 @ (11:42)

Que texto lindo! Apesar da tristeza por trás </3

Responder


Jess Ribeiro - junho 24th, 2016 em 3:19 pm respondeu:

Camila <3 Você por aqui que lindo <3 Fiquei super feliz agora!

Responder


Grazi
20-06-2016 @ (19:23)

Muito triste o que aconteceu em Orlando, só de imaginar o que essas pessoas devem ter passado já me dá uma agonia e tristeza 🙁

Responder


Jess Ribeiro - junho 24th, 2016 em 3:23 pm respondeu:

É horrível, imagina o desespero das pessoas!

Responder


Mariely Abreu
21-06-2016 @ (17:15)

Isso dói né? Eu tento encontrar palavras para descrever meus sentimentos mas, infelizmente não consigo. E pensar que tudo isso aconteceu em nome de Deus, mas que Deus é esse que te faz odiar pessoas ? Eu sinceramente não entendo. Passei as ultimas semanas refletindo sobre isso, principalmente entre os meus amigos e familiares e vi que a coisa vai muito além de um atentado terrorista. A motivação não foi apenas islâmica, existe homofobia por trás de tudo isso, existe ódio, existe intolerância, por mais que as pessoas tentem negar. Todas as vezes que vejo um politico usar um palanque para espalhar idéias extremistas e discursos de ódio, penso no quanto isso se parece com o ataque de Orlando. Quando vejo lideres religiosos encorajando seus fiéis a odiar e “combater” esse “pecado” percebo o quanto isso se parece com o ataque de Orlando. Vivemos cercados de preconceito, somos criados para odiar o que diferente, para excluir o que vai contra as nossas crenças. O pior de tudo é que as pessoas simplesmente querem fingir que isso não aconteceu, minimizam dizendo que todos os dias héteros morrem e ninguém se comove, mas poxa vida, héteros morrem só por serem héteros ? Acho que não. Gays morrem só por amarem alguém do mesmo sexo, mas a sociedade tenta fechar os olhos pra isso. São poucas as pessoas que se importam, algumas ficam com raiva quando tocamos no assunto, querem abafar, não comentam, não compartilham, não debatem, apenas querem fingir que isso não aconteceu. Fico feliz quando entro em um blog e vejo que ele não se resume a maquiagem. É disso que a juventude precisa, menos make, mais consciência. Um beijo!

http://www.deixeiflorir.com.br

Responder


Jess Ribeiro - junho 24th, 2016 em 3:55 pm respondeu:

Amei seu comentário! É isso que precisamos discutir até resolver todos os problemas que tornam nosso mundo tão ruim!

Responder


Paula Lopes
23-06-2016 @ (10:13)

Lindo texto. Se mais pessoas se colocassem no lugar das outras, como você fez, o mundo não estaria do jeito que está. Tenha um dia abençoado, beijos!

Blog Paisagem de Janela
paisagemdejanela.blogspot.com.br

Responder


Jess Ribeiro - junho 24th, 2016 em 3:24 pm respondeu:

Tenha um dia abençoado também xuxu

Poise se todo mundo se colocasse no lugar de outras talvez nosso mundo ainda tivesse solução

Responder


DIANI GOIS SANTOS
23-06-2016 @ (22:50)

É muito triste ver a proporção que a violência está tomando, desesperador ver a quantidade de pessoas que estão perdendo suas vidas por conta desses massacres.

Responder


Jess Ribeiro - junho 24th, 2016 em 3:33 pm respondeu:

É infelizmente é sim! E se pelo ou menos conseguíssemos identificar antes pessoas que tem esse potencial talvez poderíamos evitar. Pena que isso é tão difícil!

Responder


Emerson
24-06-2016 @ (11:05)

Genial o seu texto! Cheio de drama e reflexão… Deve ser difícil se imaginar no lugar de cada uma daquelas vítimas. No dia do amor, 50 pessoas morreram por conta dele. Só quero um mundo mais tolerante.
Vou até compartilhar no Facebook, pois gostei bastante.
Beijos e bom final de semana!

http://jj-jovemjornalista.blogspot.com.br/

Responder


Jess Ribeiro - junho 24th, 2016 em 3:31 pm respondeu:

Eu sempre tento me colocar no lugar de outras pessoas. Nos nunca sabemos o que outras pessoas passaram porque temos costumes de ignorar as lutas de outros. Então eu tento ao máximo entender o que se passa com outras pessoas. E que bom que você gostou do texto <3 E obrigada por compartilhar

Responder


Último vídeo

Arquivo calendário

junho 2016
DSTQQSS
« maio jul »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930 

Pinterest

  • butterfly tattoo / f
  • What insect is more
  • Preto Ombro Tatuagem
  • Veja nossa seleção c
  • Photo (Funambula)
  • Interior Designed: B
  • 20-salas-com-sofa-ro
  • Decoração na cor Azu
  • #penteadeira #ideia
Follow Me on Pinterest

Descrevendo Nuvens - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2017 - Ilustração por Juliana Rabelo